Michael Campos

Por que um mapa mental é importante no marketing?

Guia de Investimento
Guia de Investimento

Entre para nossa lista e receba
conteúdos exclusivos!

    The Ultimate Managed Hosting Platform

    Compartilhe

    O mapa mental é uma representação visual gráfica e organizada de ideias ou conteúdos de forma atraente, criativa e de fácil assimilação. Ele pode ser usado por simples estudantes do ensino médio a grandes empresários da área de consultoria ambiental, por exemplo.

    Um mapa mental tem uma importância fundamental em diversas áreas, tanto pessoais como profissionais. 

    No marketing, o mapa mental pode ser uma estratégia importante para auxiliar no planejamento institucional. Além de ajudar o cérebro a deduzir e interpretar informações.   

    Isso porque, um mapa mental faz com que o cérebro interprete conteúdos, imagens e números de uma forma mais rápida. 

    Uma empresa de calibração de equipamentos poderá usar de um mapa mental para  mostrar para a equipe suas ações de marketing, por exemplo.

    Isso é possível porque ele funciona como uma espécie de resumo visual. Quando somos expostos a muitas informações simultaneamente, acabamos nos perdendo e não conseguindo internalizar todas as mensagens que nos são apresentadas.

    O mapa mental fará com que as informações sejam apresentadas de maneira simples e prática. Isso faz com que o aprendizado seja mais fácil. 

    Quais são os benefícios de usar mapas mentais? 

    Existem diversos benefícios no uso de mapas mentais, que podem ser usados, inclusive, para explicar como funciona uma bateria estacionária, por exemplo. Separamos algumas vantagens desse mapa abaixo:

    • O conteúdo fica mais fácil de ser assimilado e compreendido;
    • Auxilia na organização das informações;
    • É de fácil memorização;
    • Pode ser usado em revisões;
    • Auxilia no processo de brainstorming;
    • Facilita o gerenciamento de tempo;
    • Ajuda a registrar as tarefas do dia a dia.

    Uma empresa que adote mapas mentais em sua estratégia de marketing e que queira planejar um evento sem esquecer dos serviços de informática, saberá fazer uso dos mapas mentais em seu benefício.

    Da mesma forma, um estudante do ensino médio que queira memorizar fórmulas e organizar os estudos, também poderá incluir os mapas mentais em sua rotina. 

    Ao construir um mapa mental, o tema central deve ser inserido no meio do papel e os conteúdos que vierem a partir dele deverão estar ramificados.

    A exemplo de uma empresa de instalação elétrica, que trabalha para a área industrial, predial e residencial e deseja resumir em seu site cada uma dessas ramificações.

    Essas categorias partiriam da palavra-chave principal e estariam relacionadas ao tema central.

    Assim, a empresa poderia utilizar de um mapa mental como estratégia de marketing para estruturar visualmente seus serviços e facilitar a absorção do conteúdo pelos clientes.

    Como fazer um mapa mental de forma eficaz

    Para criar um mapa mental de maneira eficaz, é possível usar desde coisas simples como papel e lápis colorido e fazê-lo à mão, até softwares e aplicativos, que irão reproduzir imagens digitais. Podem ser utilizados símbolos, palavras e desenhos. 

    O principal é que a maneira como estão sendo inseridas seja de fácil entendimento pela pessoa que lê. O cérebro deve reter facilmente a informação. Para realizar um mapa mental, é necessário seguir alguns passos:

    Saiba quem receberá a informação e conheça seus clientes

    Isso porque, ao estudar os gostos do cliente, é possível comunicar-se de forma mais eficiente levando-se em consideração a linguagem e a forma de abordá-lo.

    Uma empresa de comércio exterior que trabalhe com despachante aduaneiro, por exemplo, poderá descrever todas as atribuições relacionadas à importação e exportação de mercadorias e orientar os clientes no envio ou recebimento de produtos.

    As cores a serem utilizadas nessa peça gráfica, assim como o uso de uma linguagem mais formal ou informal ao comunicar o público-alvo da empresa em questão, deverão estar em sintonia com a mensagem a ser transmitida.

    Preste atenção no título

    Geralmente, ele é o assunto principal e deve ser inserido no centro de uma folha de papel pensando sempre no objetivo central. 

    Será a partir desse tema que surgirão as informações relacionadas a ele. Será como os “ramos de uma árvore”, em que o tronco é o assunto principal ( no centro) e os ramos, os assuntos relacionados à ele (partindo desse centro).

    Em relação às ramificações

    Quando as informações são ramificadas, os conteúdos são divididos de forma hierárquica e as informações são dispostas em tópicos primários, secundários e terciários.

    Use e abuse das cores e dos desenhos

    É necessário ser objetivo ao demonstrar uma informação com palavras curtas e de fácil visualização. Quando são usados cores, desenhos e símbolos de acordo com as ideias, isso facilita a memorização do conteúdo.

    Na correção e edição de conteúdos

    No momento de corrigir e editar as informações, o mapa é fundamental pois deixa tudo mais claro e objetivo. É uma maneira prática e rápida de atingir o propósito da empresa. Caso seja preciso, poderão ser inseridas novas ramificações ao mapa com facilidade.

    Utilize aplicativos

    Existem diversos aplicativos e sites, tanto gratuitos como pagos, que auxiliam a criar mapas mentais. Alguns dos seus exemplos são: Canva, MindMeister, XMind e Mindomo, Coggle e Diagrams.net.

    Os profissionais da área da Comunicação, como Publicitários, Jornalistas, Relações Públicas, e Marketing podem fazer bom uso desse “passo a passo” na hora de fazer seus mapas mentais e usar em suas estratégias. 

    Onde aplicar mapas mentais

    Os mapas mentais podem ser utilizados em diversos momentos em uma empresa. Dentro da área de comunicação, mais precisamente no setor de marketing, eles podem estar presentes. 

    Em anotações, durante reuniões relacionadas à área de vendas, comunicação ou de eventos em empresas de todas as áreas. 

    Em projetos relacionados a estrutura do site institucional de construção civil que tenha como um dos materiais mais pesquisados a chapa expandida, por exemplo. 

    No momento de organizar a chamada “tempestade de ideias” (brainstorming) para que elas não se percam. Na hora de comunicar ideias durante reuniões através de PowerPoint, por exemplo, onde podem ser colocados os tópicos principais discutidos. 

    Ao montar panfletos com roteiros de locais de visitação, por empresas de turismo, museus e escolas, por exemplo, de forma que os mapas facilitam a visualização do público-alvo. 

    Na área de cinema, televisão e teatro em que são necessários roteiros visualmente bem estruturados. Ao identificar , por meio de gráficos e etiquetas, um produto de esferas de aço inoxidável, em uma empresa, por exemplo. 

    Ao planejar grandes eventos corporativos que contribuam com a divulgação de produtos e serviços, resumindo o conteúdo a ser transmitido. 

    Em geral, os mapas mentais são utilizados por diferentes profissionais de diversos setores e áreas, como: pessoas que trabalham com a criatividade; estudantes, empresários, comunicadores, jornalistas, profissionais da área de comunicação, professores e líderes.

    Principais erros na hora de criar um mapa mental

    Os diversos setores empresariais também podem cometer erros na hora de criar um mapa mental. Listamos os principais abaixo:

    • Quando as palavras-chaves não são escolhidas adequadamente

    É necessário escolher de forma estratégica, pois têm que trazer sentido ao conteúdo. Saber o que quer transmitir com objetividade e sem dar muitas voltas.

    • Não saber usar recursos visuais

    Quando o design não representa ou não expressa o conteúdo que deseja transmitir, há uma desconexão com o que quer passar e o nosso cérebro não capta a informação.

    • Não usar da organização em formato “radial”

    É necessário ter em mente que nosso cérebro tem facilidade de memorizar a estrutura em forma “estrelar”, ou seja, do meio para as pontas. A informação principal sempre no centro e as secundárias partindo desse centro.

    • Não definir as categorias

    É importante organizar de maneira estruturada todos os temas que precisam ser abordados nos mapas mentais. As informações devem abarcar o “quem, quando, onde, e porquê”.

    • Misturar palavras-chave e recursos visuais na mesma linha

    O design visual é importante, mas não deve ser misturado às palavras-chaves para não confundir a cabeça de quem está lendo. 

    • Escrever textos, ao invés de estruturar em tópicos

    É necessário escolher poucas palavras que abordem o conteúdo que deve ser estruturado. Caso quem esteja criando o mapa mental se “empolgue” e escreva um livro a respeito do assunto, está fazendo errado. 

    Todos esses erros comuns listados acima, podem acontecer com qualquer pessoa, mas devem ser evitados, a fim de que haja um aproveitamento melhor desse tipo de estratégia utilizada.

    Conclusão

    Os profissionais da área do Marketing que estão sempre antenados às novas tecnologias e  associados com a área de Design Gráfico, acabam utilizando esse recurso para reforçar o processo criativo.

    Na realidade, esses recursos facilitam o processo de aprendizagem e facilitam a vida de todos os profissionais que desejam mais organização, produtividade e mais agilidade no momento de transmitir uma ideia, solucionar problemas ou tomar decisões. 

     

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

    Compartilhe:

    publicidade

    social

    publicidade