Michael Campos

Saiba o que é Integração Contínua e suas ferramentas para uma empresa

Guia de Investimento
Guia de Investimento

Entre para nossa lista e receba
conteúdos exclusivos em primeira mão!

    Compartilhe

    A Integração Contínua é um termo criado com base em diversas metodologias, cujo objetivo é algo relativamente simples, agilizar os processos e conseguir implementar funcionalidades desenvolvidas, verificando as mudanças não geraram mais desafios para o projeto principal.

    Essa prática pode ser realizada tanto com processos manuais quanto com processos automatizados, possibilitando muito mais ações dentro do trabalho como um todo.

    Para que se utilize essa ferramenta de maneira contínua, é importante que você tenha controle sobre a versão principal que está sendo trabalhada. Uma das partes mais importantes desse processo de desenvolvimento é o controle de versão que será utilizado.

    O controle de versão tem como um de seus principais objetivos conseguir fixar o trabalho de maneira mais colaborativa, na qual todos os desenvolvedores vinculados ao projeto trabalham em conjunto e compartilham os dados encontrados.

    Entenda o que é a Integração Contínua

    Depois de conquistar um controle de versão mais centralizado, é possível fazer a integração contínua, que é em sua essência uma forma de comunicação entre todos os membros da equipe de sua empresa de controle de acesso, por exemplo.

    Para que um colaborador consiga trabalhar com qualidade, é importante que ele consiga executar o código de maneira perfeita, conseguindo, assim, lançar as alterações necessárias na versão principal.

    Isso inclui fazer uma série de testes, além de atualizar sua cópia do trabalho para garantir que você trabalhará com a versão mais atualizada do projeto, resolvendo assim qualquer conflito que apareça.

    Depois de fazer os testes em sua máquina local, ao alcançar as ações com qualidade e compreender melhor o tipo de ação que está executando, você consegue a liberação para aplicar as mudanças de fato na versão principal.

    Dessa maneira, você consegue trabalhar com mais qualidade no projeto e cria uma estrutura muito mais adequada de trabalho para conseguir efetuar mudanças significativas que serão a chave para as atualizações em uma empresa de engenharia elétrica.

    Conheça as ferramentas para a Integração Contínua

    Agora que você consegue compreender um pouco melhor o que é a integração contínua, é hora de conhecer algumas de suas principais ferramentas. Essa prática é muito importante para garantir a assertividade da área de TI em uma empresa.

    Para conseguir alternar os códigos corretamente e inseri-los em um repositório adequado, é importante que você consiga lidar com cada uma das etapas, incluindo a automação, que é parte fundamental do processo de criação.

    O grande objetivo desse tipo de metodologia é conseguir reduzir as chances de erro e automatizar processos, facilitando assim o suporte e a rapidez de resolução de diversos problemas.

    Entretanto, os softwares citados nesta lista têm capacidade para atender a maioria das demandas e necessidades da atualidade, sendo um importante meio de conseguir trabalhar com mais qualidade em uma empresa de etiquetas para pneus, por exemplo.

    1 – Jenkins

    Este é certamente o programa mais famoso e utilizado para o processo de integração contínua. Uma das ferramentas mais potentes, seu código aberto e modular permite que você consiga explorar todos os recursos disponíveis para a plataforma.

    Existem mais de 900 plugins que podem estender as funcionalidades desse programa, garantindo um potencial ainda maior de trabalho com ele. A ferramenta é completamente baseada na tecnologia Java,  o que inclui estas extensões.

    Um dos principais pontos para a qualidade e usabilidade do Jenkins é o fato de ele ser construído em cima do conceito de comunidade. Além disso, é muito fácil encontrar suporte para o programa e suas extensões, o que é um ponto fundamental para seu sucesso na internet com empresas de, por exemplo, confecção de uniformes profissionais.

    2 – Travis

    Essa é uma ferramenta de código aberto que pode ser utilizada em projetos hospedados na plataforma GitHub. É importante ter em mente, entretanto, que depois de hospedado, o projeto não dependerá de nenhuma outra plataforma.

    O Travis utiliza o conceito de máquinas virtuais para conseguir trabalhar corretamente com suas aplicações. Por conta disso, muitas pessoas acabam optando por este modelo para conseguir trabalhar com qualidade.

    Uma das grandes facilidades do uso do Travis é que você não precisa de várias contas para acessar esse dispositivo. Basta usar sua conta do GitHub e você conseguirá utilizar corretamente esse tipo de ação.

    3 – GitlabCI

    Esta é uma das ferramentas mais eficientes de integração contínua, uma vez que possui um grande suporte em etapas importantes desse processo. A integração é o principal foco do software, já que ele depende de uma série de ações.

    Trata-se de uma ferramenta fundamental para garantir que o commit seja integrado à plataforma central, sem que os testes sejam quebrados durante as etapas de automação ou compilação, que são ideais para esse tipo de ação.

    O Gitlab cria pipelines de integração para cada estágio do projeto, compilando processos e executando testes de maneira automatizada, conseguindo resultados cada vez mais expressivos como uma ferramenta de trabalho.

    4 – Hudson

    Este é outro dos meios mais populares de trabalhar, e sua história tem ligação direta com o Jenkins. O projeto do Jenkins surgiu de uma divisão do Hudson, depois de uma disputa legal. Por isso, ambas as plataformas são bastante similares, sobretudo em aparência.

    Além disso, o Hudson funciona como um servidor para testes, o que significa que ele pode aceitar vários projetos de uma vez. Isso independente do servidor que será utilizado, interno ou externo.

    Este programa também possui uma série de ferramentas de automação, que funcionam para elementos como:

    • Atualizar cópias de trabalho;
    • Atualizar ferramentas;
    • Agendar construções;
    • Otimizar processos e tarefas.

    Todas estas ações tornam o Hudson uma das mais poderosas ferramentas de integração contínua da atualidade, e tudo pode ser feito de maneira extremamente simples. Algumas tarefas mais básicas já são disponibilizadas sem nem mesmo precisar de configuração.

    Considerações finais

    No campo do TI, não existe um conceito fixo de qualidade, então é muito difícil definir qual é o melhor dispositivo para o uso da integração contínua. Por conta disso, é importante ter em mente que todas as possibilidades populares possuem diversos pontos positivos.

    Encontrar a ferramenta que mais se adapta a seu trabalho e o de seus colaboradores e desenvolvedores é um processo fundamental para conseguir trabalhar com mais qualidade e ter uma boa estrutura de negócios.

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

    Compartilhe:

    publicidade

    social

    publicidade